Ordem, Progresso e Kaiowá-Guarani.

Brasil, meu Brasil brasileiro… Onde, nestas ultimas semanas, quase todos se preocuparam com o final da novela, alguns deram mais importância ao julgamento do “mensalão”… Porém outros… Outros poucos sofrem ao ler uma carta da tribo indígena que está no município de Iguatemi, Mato Grosso do Sul, à margem do Rio Hovy.

Tudo começou quando por livre e espontânea pressão a tribo foi ‘convidada’ a se retirar de sua casa e abandonar sua terra. O que você lia só nos livros de História do Brasil acontece também agora: novamente os índios são EXPULSOS e REPRIMIDOS. Sim caros leitores, a justiça federal decretou a expulsão de 170 índios na terra em que vivem atualmente.

Há duas semanas, numa dramática carta-testamento, os Kaiowá-Guarani informaram:
“Não temos e nem teremos perspectiva de vida digna e justa tanto aqui, na margem do rio, quanto longe daqui. Concluímos que vamos morrer todos. Estamos sem assistência, isolados, cercados de pistoleiros, e resistimos até hoje. Comemos uma vez por dia…”.

Lideranças Kaiowá dizem não acreditar mais na justiça brasileira e pedem que ela declare a sua morte coletiva: “Pedimos ao Governo e à Justiça Federal para não decretar a ordem de despejo/expulsão, mas decretar nossa morte coletiva e enterrar nós todos aqui. Pedimos para decretar nossa extinção/dizimação total, além de enviar vários tratores para cavar um grande buraco para jogar e enterrar nossos corpos. Este é o nosso pedido aos juízes federais.”.
Diante dessa história dantesca, a vice-procuradora Geral da República, Déborah Duprat, disse: “A reserva de Dourados é talvez a maior tragédia conhecida da questão indígena em todo o mundo”. Suicídios como este já ocorreram na história de ‘ordem e progresso’ de nosso país onde quase sempre por enforcamento, ou veneno índios de suicidam por viverem confinados em reservas cada vez menores, cercados por pistoleiros ou fazendeiros. Suicídio porque viver como mendigo ou prostituta é quase o caminho único para quem deixa as reservas. Entre 1986 e setembro de 1999, 308 índios com idade variando dos 12 aos 24 anos se suicidaram. Humanos. Que são encurralados e tratados como peste, escória da sociedade. Lixo.
Italianos e um brasileiro fizeram um filme-denúncia sobre a tragédia. No Brasil, silêncio quase absoluto: Porque Dourados, Mato Grosso, índios… não dá Ibope, não dá manchete. Segundo o Conselho Indigenista Missionário, o índice de assassinatos na Reserva de Dourados é de 145 habitantes para cada 100 mil. No Iraque, esse índice é de 93 pessoas em cada 100 mil.
Ainda acha que esta tribo não merece atenção? Nossa Exma. Presidenta esta ciente do que esta acontecendo e não faz absolutamente NADA! Segue o link do vídeo que foi apresentado a ela como denuncia da violência e praticas de extermínio que sofrem os índios Guarani Kaiowá no Mato Grosso do Sul. Este vídeo foi apresentado a  na abertura do Fórum Social Mundial 2012. http://vimeo.com/Salve_Dilma
Há também uma petição no AVAAZ.ORG que lista será entregue a Dilma: avaaz.org/Salvemos_os_GuaraniKaiowa_URGENTE (Clica aí e ajuda!)

Um ato em Brasília denuncia o genocídio do povo Kaiowá-Guarani. Cinco Mil cruzes foram cravadas no coração da capital do paíz em um gesto de visibilizar o genocído cometidos contra os povos indígenas: www.vermelho.org.br/noticias

Então é isso meu Brasil. Prosseguiremos assim: construindo, civilizando… Numa ordem de desmatamento florestal e genocídio. Em breve talvez continue a construção da usina em Belo Monte, e em silêncio dos governos e da mídia, se estabelece esta “ordem e progresso”. Um silêncio cúmplice dessa tragédia.

Fontes:

Vídeo: Salve Dilma! Aqueles que irão morrer te saúdam. http://vimeo.com/Salve_Dilma
Assine o protesto no AVAAZ.ORG:  avaaz.org/Salvemos_os_GuaraniKaiowa_URGENTE
Matéria: Jornal da Gazeta em 22/10/12 youtube.com/watch/Jornal_Gazeta
Ato em Brasília denuncia o genocídio: www.vermelho.org.br/noticias
  Keite Soares escritora do blog: Pelo Prazer de Escrever