O fim do mundo que não aconteceu!

Como publicitário curioso que sou fui desvendar esse boato que ocorreu no último final de semana, dia 21/05 sobre essa história de fim do mundo. Nas minhas pesquisas não sei se achei a maior causa da histeria pública em acreditar nessa “profecia”, mas pelo menos os meios que ele levou para divulgá-la são bem fatídicos.

Tenho certeza que achei algo muito interessante para nós, o poder da publicidade, e a forma como essa noticia se propagou (que vem de propagar e divulgar) no mundo. Acompanhem:
Homem gasta R$ 220 mil para anunciar fim do mundo
“Um aposentado americano, de 60 anos, gastou US$ 140 mil (cerca de R$ 220 mil) em anúncios espalhados por toda Nova York que advertem que o fim do mundo vai acontecer no dia 21 de maio, convencido de que um poderoso terremoto provocará o caos em todo o planeta.
Robert Fitzpatrick, que trabalhava no serviço de transporte público de Nova York, espalhou em diversos ônibus e vagões de metrô milhares de cartazes apocalípticos nos quais alerta que o dia do juízo final cairá no sábado da semana que vem.
O americano gastou cerca de US$ 90 mil (R$ 146 mil) em propagandas no metrô e US$ 50 mil (R$ 81 mil) nos ônibus, indica a versão online  do “Daily News”, que destaca que essa quantia representa as economias de toda a vida do homem.
“Terremoto global! O maior de todos os tempos. Dia do juízo final: 21 de maio”, anunciam os cartazes em questão, que mostram também a esfera de um relógio a ponto de marcar as 12 horas sobre uma fotografia de uma paisagem noturna de Jerusalém e um versículo da Bíblia.
Fitzpatrick começou a acreditar na fatídica profecia após conhecer o grupo cristão evangélico Family Radio, cujo pastor Harold Camping realiza presságios usando cálculos numerológicos e afirma que só os verdadeiros crentes se salvarão.
Camping chegou a essa conclusão após supostamente estudar a Bíblia e porque, segundo ele, é uma data exatamente 7.000 anos depois que Noé se salvou do Dilúvio.
“A Bíblia Sagrada dá mais provas incríveis que 21 de maio de 2011 é exatamente o dia do Juízo Final”, conta o site do grupo, que também colocou dezenas de propagandas em outras cidades dos Estados Unidos e do Canadá.”
Depois que acabou o final de semana e como todos podemos perceber que o mundo não acabou, ele ainda deu mais uma entrevista a alguns jornais e disse: “Eu não sou nenhum gênio”. Pelo o que podemos ver ele realmente não foi muito esperto, mas ousou em uma estratégia de Marketing brilhante, pois é, quando quiser mudar de emprego pode mandar um currículo aqui para a Breeze, só não o deixaremos com as notícias de desastres, novos fins do mundo e afins, afinal não podemos arriscar.
Diego Silva